0

O primeiro corte requer paciência dos pais e do cabeleireiro

1 mai 2013
07h02
atualizado às 07h02
  • separator
  • 0
  • comentários

Por volta de um ano, o corte de cabelo começa a fazer parte da rotina da criança. Seja pelo incômodo que dos fios mais longos sobre os olhos ou pela praticidade para os pais em cuidar de fios mais curtos. Por ser uma situação bem diferente do que estão acostumados, as visitas ao cabeleireiro podem deixar os pequenos ansiosos e com medo. Por isso, já existem salões de beleza especializados em atender crianças, com profissionais que conhecem truques para acalmar tanto os pais e quanto os pequenos clientes inquietos na cadeira.

A máquina de corte deve ser usada com cuidado, pois é um dos itens que mais assusta a criança
A máquina de corte deve ser usada com cuidado, pois é um dos itens que mais assusta a criança
Foto: Shutterstock

A visita ao salão não deve estar associada a situações desagradáveis. Uma das dicas que a cabeleireira Micheli Costin, do Salão Infantil Michelli, em Curitiba, é não levar a criança para cortar o cabelo depois de sair do posto de vacinação, por exemplo. Outra orientação está relacionada ao comportamento durante o corte. Enquanto são bebês, antes de um ano, eles podem ficar no colo da mãe, depois o ideal é sentar na cadeira. “A partir de um ano, a gente tem que conversar bastante, e tomar cuidado para não assustar com a máquina de corte ou com a capa sobre a roupa”, diz Micheli. O profissional que vai atender a criança tem que ter paciência e estar preparado para cortar o cabelo no ritmo dela, ou seja, se ela se assustar, deve parar e esperar que se acalme. Pedir que os pais segurem a criança para terminar o corte só traz mais estresse e medo.

Tipos de corte

A partir dos dois anos, o medo das tesouras tende a diminuir, e os pequenos começam até a querer escolher o corte, na maioria das vezes para ficar parecidos com seus ídolos. Entre os meninos, o mais comum são os cortes de jogadores de futebol como Kaká ou Messi. As meninas normalmente pedem os clássicos, compridos. Quando o pedido das crianças é diferente do que os pais preferem é preciso entrar em acordo. “Eu geralmente faço um meio a meio, para agradar a ambos, porque quem vai usar são as crianças, mas quem cuida dos cabelos são os pais”, relata Micheli.

Dos serviços comuns em salões de beleza para adultos, o único seguro para as crianças além do corte é a hidratação, recomendado, por exemplo, para as meninas que praticam natação e tem os fios mais ressecados que o de outras crianças. Alisamentos ou procedimentos que utilizem produtos químicos devem ser evitados, já que o cabelo das crianças é mais fino e delicado. Os cortes e as lavagens regulares são cuidados suficientes com os fios dos pequenos.

Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade