publicidade
28 de janeiro de 2013 • 07h05

Apenas um médico deve tirar o bicho de pé, comum em crianças

Para evitar infecções, o bicho do pé deve ser retirado com uma agulha esterilizada por um especialista
Foto: Shutterstock
 

 

Bicho de pé pode ser um doce de leite condensado e morango adorado pelas crianças ou um Tunga penetrans, um inseto do grupo das pulgas que costuma atingir os pezinhos descalços dos pequenos e trazer preocupação aos pais. O bichinho de um milímetro de comprimento penetra na pele como um pontinho preto e causa coceira e uma lesão ao seu redor. Para evitar infecções, o inseto deve ser retirado com uma agulha esterilizada por um especialista.

A dermatologista Lilian Braga, integrante da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), explica que crianças não têm uma pré-disposição a serem vítimas do bicho de pé. No entanto, o fato dos pequenos andarem descalços na areia da pracinha e da praia aumenta as chances do inseto se instalar. No verão, a pulga se desenvolve mais fácil, pois gosta de locais quentes, secos e sombreados. Apesar do "pé" no nome, a lesão pode se instalar em qualquer área do corpo, mas com menos frequência, pois o pé é a área do corpo mais facilmente em contato com a terra.

No início, os sintomas são o pontinho preto e um pouco de coceira no local. Aos poucos, a lesão vai aumentando e pode evoluir para um machucado. "O inseto penetra na pele, e o pontinho preto é como se fosse o bumbum do bichinho", explica a dermatologista. Pode ser uma única infestação ou várias, concentradas na mesma parte do corpo. Em geral, o problema do bicho de pé é que sua lesão diminui a defesa daquela região. O machucado pode levar a uma infecção bacteriana ou a uma contaminação por outros insetos. Normalmente, não é grave, e o tratamento é fácil. No entanto, se não for tratada da maneira correta, pode levar a complicações mais sérias, como o tétano.

O mais importante para tratar a lesão causada pelo bicho do pé é higienizar o local com água e sabonete e retirar o inseto do corpo. É indicado que o bichinho seja removido no consultório de um pediatra ou de um dermatologista, para evitar que uma nova infecção se instale no local por falta de limpeza no material e de experiência de quem vai retirar. Em alguns casos mais graves, o médico pode indicar uma medicação oral ou uma pomada antibiótica.

Mesmo com um tratamento fácil, o melhor remédio é sempre prevenir. O único jeito de manter o bicho de pé longe das crianças é evitar que elas andem descalças em áreas que têm maior propensão a abrigarem os bichinhos, como áreas rurais, praia e pracinhas.

Cartola - Agência de Conteúdo Terra