inclusão de arquivo javascript

As fantasias sexuais | | Amores imperfeitos

Amores imperfeitos

As fantasias sexuais

0 Comentário

 

Alguns acreditam que é possível manter uma relação sem amor, mas com sexo (claro que o sexo tem que ser muuuuuuito bom). Já o contrário seria quase impossível. Imaginem um casal que se ama loucamente, mas que não tem nenhuma atividade sexual. Quanto duraria?
Não quero fazer uma apologia ao sexo sem amor. Não existe sexo mais completo e delicioso do que aquele que tem como complemento o amor. Isso é um fato.
Mas muitas pessoas já me confessaram que as melhores experiências sexuais foram com pessoas que não amaram.
Parece contraditório, mas tem uma explicação: o sexo sem amor não vem carregado de pressão e expectativas. Entretanto, essa falta de amor tem que ser substituída pelo carinho, desejo, amizade, admiração, atração,… E o estranho de tudo isso é que, se uma pessoa sente tudo isso pela outra, por que não arriscaria tudo por ela?
Pode ser porque são casados e não querem desfazer seu matrimônio, ou então porque mesmo existindo uma química incrível, diversos fatores fazem com que seja impossível viver juntos, diferença de idade, problemas econômicos, distância, filhos. No fim percebem que a relação deles é apenas sexo, um sexo especial, com muita química, com carinho, desejo, paixão, mas sem amor. Não devemos descartar que muitos são felizes assim, realizando a fantasia de serem amantes esporadicamente.

O sexo

Para os homens, o sexo está relacionado aos números, para as mulheres às palavras. Explico: para elas é “te amo”, “não para”, “adoro”. Já para eles, “20 centímetros”, “3 sem tirar”, “4 horas sem parar”.

Quando ela chega ao serviço e conta para a amiga e confidente como foi a noite, a história é mais ou menos assim:

– Foi incrível, nos beijamos muito, fizemos amor três ou quatro vezes, perdi a conta, e quase perdi os sentidos! Ele foi tão carinhoso.
– Você vai se encontrar com ele de novo?
- É um fofo, claro que sim.

O mesmo rapaz, o “carinhoso”  “fofo” chega ao serviço e sai do elevador com a mão aberta mostrando os cinco dedos, o amigo já fala “conta, conta, como foi com a gata?” 

– Foi demais, peguei de jeito. Cinco sem tirar!! Nem imagina como berrava, quase desmaiou.
– Você vai se encontrar com ela de novo?
– Tá maluco? Estas minas são para sair uma vez e ponto final.  Senão, elas se apaixonam.

Muitas vezes as mulheres fazem sexo esperando conseguir amor, os homens fingem amor para conseguir sexo. Enquanto uns esperam amor e outros sexo, os homens se divertem e as mulheres sofrem.

As mentiras

Estas são as cinco mentiras clássicas relacionadas ao sexo e que com certeza alguma mulher já ouviu, pelo menos alguma delas:
* Isso nunca tinha acontecido comigo
*Só a pontinha
* Juro que não vai doer
* 20 centímetros
* Sim, isso são os 20 centímetros

As fantasias sexuais

Sou completamente a favor das fantasias desde que não venham para salvar relacionamentos em crise. Não será com outra mulher na cama que um casal descobrirá que nasceu um para o outro e que todos os problemas amorosos vão se resolver.

Tenho um amigo que me falou outro dia: – Quem não teve a fantasia de transar com a Dilma no meio de campo do Maracanã lotado?
- Eu, eu, eu; respondi. Isso não é uma fantasia, é um pesadelo!!

Fantasias geralmente não se realizam. Algumas nem se exteriorizam. Para as mulheres é ainda mais difícil. “Como dizer a ele que morro de vontade de fazer amor a três” ou “o que vai pensar de mim?”. Já o marido geralmente pensa e não tem coragem de pedir. Seria a realização dos sonhos da esposa, mas ele só tem coragem de pedir para a amante.

Há vários tipos de fantasias. A mais tradicional é o famoso “ménage a trois”, que não é nada além de o sexo a três, com duas mulheres e um cara muito feliz. O desejo de nove entre dez homens que, uma vez realizado, o transforma no “Supermacho”.

Quando a fantasia é ao contrario, ou seja, ela com dois homens, eles se apavoram e pensam que vão se transformar no “Superchifrudo”. 
É muito fácil realizar as fantasias que nos interessam; difícil é dizer sim àquilo que não aceitamos.
Um conhecido foi a uma casa de swing com sua esposa e ficou a noite inteira olhando para um casal muito bonito. Ele já se imaginou aquela loiraça na sua cama. Quando o casal chegou perto deles, ela se sentou do lado da sua mulher e o senhor, que aparentava uns 50 anos, pegou a mão do meu amigo e lhe disse, “gostaria de te conhecer melhor”. Nunca mais voltaram.

As fantasias tradicionais são as que curiosamente a maioria das mulheres tem: fazer amor na praia, no avião, no elevador e, logicamente, onde você está pensando neste momento (mas não tem coragem nem de contar a sua melhor amiga).

A do elevador, com tantas câmeras e tecnologia, está descartada. A não ser que queiram ser recordistas de visualizações no You Tube.

Na praia, a poluição é outro problema. Uma fantasia que pode custar uma infecção e alguns dias de hospital. 

Um amigo queria fazer amor num avião. E fez. Mas a aeromoça o pegou no flagra

– Olhe senhor

Ele a interrompeu

– Não seja ruim, todos tem essa fantasia de fazer amor no avião

– Sim. – Ela respondeu. – Mas sua mulher é a que está sentada na poltrona do corredor e não a idosa de uns 80 anos que está sorrindo com o rosto colado na janela.

O Sex Shop

Às vezes ele tem o impulso de passar pelo Sex Shop para fazer umas comprinhas. Não tem a menor ideia de como usar aquilo, mas como a atendente falou que sua mulher iria delirar de prazer, comprou.
Ao ligar, o aparelho de prazer saiu como um foguete vibrando pela porta que estava aberta. Depois de muita corrida, o alcançou a dois quarteirões da sua casa. Aquela coisa do demônio continuava vibrando: “Dá prazer e emagrece ao mesmo tempo”, pensou. “Adorei”.

A esposa, surpresa e com medo, lhe pergunta:

– O que é isso?
– Você vai adorar. Esta parte vai dentro da vagina. – Diz ele até pensar melhor – Errei, errei. É esta parte pequena sem pontas metálicas que vai na vagina, este barbante vai para atrás, você tem que amarrar na cintura, estas bolinhas você deixa penduradas, são magnéticas”

Incrédula, ela o encara, ele continua com a explicação.

– Este botão você liga quando senta e estes dois….

Ela finalmente o interrompe.

– Isto vai me dar prazer?

O olhar é de ofendido.

– Claro que sim. – Ele responde como se soubesse para que serve tudo aquilo. 

Para lhe dar o gostinho, ela liga aquela máquina infernal e leva um choque, que a faz voar uns três metros por cima do sofá.

O babaca, que não percebeu que quase a matou, ainda lhe pergunta: “Você gostou? Deu prazer? Se você quiser podemos usar o controle remoto”.

Quase a matou!!!! E não precisamente de prazer.

Anti-fantasia

Também existem mulheres que são uma anti-fantasia por si só. Lamento informar, mas acontece muito. Com certeza muitos homens já saíram com alguma que quando estão tirando a roupa já lhe avisam:

“Olha eu não faço sexo oral, sinto nojo. Sexo anal nem pensar: vá fazer com uma porca. Dequatro N-U-N-C-A, não sou uma cachorra. Por cima me sinto usada, nem adianta pedir. Me beijar, jamais, a saliva na minha boca me dá náuseas. Não toque em meus seios, sou muito sensível. Sou capaz de te dar um tapa! No pés sinto cócegas nem se atreva a mexer neles. Não sou teu amor, teu anjo, nem teu carinho. Me chamo N-A-T-A-L-I-A, entendeu? E não me peça de forma alguma que comece a gemer, quando faço sexo. Não falo e não gosto que falem comigo “a gente veio transar ou conversar”? Então, é melhor nem começar com essas de “Ahhhhh, uhhhh, ahhh, vai sua gostosa”, senão vou embora.

O que um cara faz com uma mulher dessas? Senta na beira da cama e conversa a noite inteira. Este tipo de mulher deveria vir com um manual de instruções.

– Posso então tocar no seu cabelo?
– No cabelo sim.

Ainda bem, fico mais tranquilo. Que noite fantástica: eu tocando seu cabelo enquanto você dorme.

Chego  conclusão que, assim como os beijos que nunca dei, as melhores fantasias são as que não realizamos.
A realidade é tão realista que tira a graça daquilo que poderia ter sido e nunca aconteceu.

 

.

Marcelo Puglia Marcelo Puglia

Marcelo Puglia

O jornalista e escritor uruguaio Marcelo Puglia mora em São Paulo desde os anos 80. É especialista em relacionamento amoroso e publicou em toda a América Latina nove livros sobre amor, sexo, infidelidade com muito humor.



compartilhe e assine o blog




Sorry, your browser does not handle frames!<a href="http://www.terra.com.br/"> terra </a>

 
 
Leia também X O homem que morreu de internet