publicidade

Revista estampa criança com boca no seio de mulher e gera polêmica

Edição de maio da publicação incitou indignação e críticas
Foto: Reprodução
 
Thaís Sabino

A capa da edição de maio da revista Time provocou polêmica após estampar uma criança de três anos com a boca no seio de uma mulher, ao lado da chamada "Are you mom enough?" (algo como uma provocação: você é mãe o suficiente?). A foto ilustra uma matéria sobre amamentação após a idade adequada que, de acordo com o ginecologista e obstetra, diretor do Centro de Fertilidade da Rede Dor, José Bento, é de dois anos de vida.

A publicação incitou comentários espantados nas redes sociais, como o de Lisa Hanson, no Facebook: "O que é isso? Olhe para ele, não tem três anos de idade! Algo está errado aí. Eu amamentei meus filhos, mas somente enquanto eles eram bebês", postou. "Amamentação após um ano e meio, acho perturbador", comentou Heather Mike Strickland no mesmo site de relacionamentos.

Annette McLane publicou na página da revista nas redes sociais que é a favor do aleitamento materno, mas criticou o fato de o menino da foto não ser mais uma criança. Apesar de a capa da Time despertar críticas, de acordo com o presidente do departamento científico de aleitamento materno da Sociedade Brasileira de Pediatria, Luciano Borges, não existe uma idade certa para a interrupção da amamentação.

"Isso é uma questão cultural. Existem pesquisas querendo comparar a amamentação dos humanos com a dos mamíferos. Desta forma, existe uma tendências para amamentar até quando a criança tiver entre quatro e sete anos. Se for jogar a idade dos mamíferos teria que amamentar por um tempo prolongado", comentou.

Porém a realidade é outra: "gostaríamos que as mulheres amamentassem as crianças até os dois anos de idade, pelo menos. Mas só 10% das nossas crianças chegam aos seis meses mamando só no peito", acrescentou ele.

Segundo José Bento, existem trabalhos que contraindicam a amamentação da criança mais velha por conta de danos psicológicos. "A imagem choca pois tem uma conotação não nutritiva, parece mais uma conotação sexual", disse ele. O obstetra explicou que além de ser um órgão de alimentação, a mama também é ligada ao sexo. "Você não vê mais a imagem de uma criança precisando de alimento", completou.

Segundo José Bento, casos assim são pouco frequentes e mais comuns na faixa socioeconômica menos favorecida. Ele acrescentou ainda que depois de determinada idade, passados os dois anos, não existem provas de que o leite materno tenha benefícios nutricionais para a criança, tanto quando nos dois primeiros anos de vida.

Terra