inclusão de arquivo javascript

Mulher

 
 

Chefe mulher é mais propensa a ajudar os funcionários homens

Mulheres na chefia podem ter a síndrome da abelha-rainha. Foto: Getty Images

Mulheres na chefia podem ter a síndrome da abelha-rainha
Foto: Getty Images

Patricia Zwipp

Ter chefe do mesmo sexo não é um bom indício para mulheres, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Cincinnati, nos Estados Unidos. A líder é mais propensa a bloquear as perspectivas femininas de promoção e, por outro lado, a ajudar os homens. Essa situação é chamada de síndrome da abelha-rainha.

O levantamento realizado por psicólogos contou com a opinião de mais de 2 mil funcionários. Uma possível explicação para o fato seria eliminar a concorrência indesejada e se misturar aos homens em organizações dominadas por eles. A publicação Social Science Research divulgou esses dados.

De acordo com o jornal Daily Mail, estudos anteriores também obtiveram resultados semelhantes. Em 2008, cientistas alemães relataram que as trabalhadoras que respondem a uma supervisora sofrem mais de depressão, insônia, dores de cabeça e azia. E uma análise britânica do ano passado mostrou que dois terços delas preferem um chefe do sexo masculino.

Especial para Terra