inclusão de arquivo javascript

Mulher

 
 

Renda-se ao charme do artesanato

Bonecas de papel maché no artesanato do Espírito Santo. Foto: Terra

Bonecas de papel maché no artesanato do Espírito Santo
Foto: Terra

O artesanato brasileiro está em alta, e não apenas aqui, mas no exterior também. Redes de lojas como Saks e Bloomingdale's, em Nova York, já se renderam ao charme de objetos feitos na Bahia, no Maranhão e em outras regiões do País. Cada um dos Estados brasileiros é conhecido por uma produção diferente, que leva em conta os costumes e as matérias-primas da região. O trançado estrela, técnica que usa a palha de milho, por exemplo, é encontrado apenas na cidade de Olímpia, em São Paulo.

Abajur e luminárias
Almofadas
Ambientes
Artigos religiosos
Caixinhas
Enfeites
Porta-coisas
Suplat e afins
Vasos

Uma das razões para a procura ser grande é o fato do artesanato ser um produto único. Além disso, há a questão do meio ambiente. "O artesanato tem um apelo ecológico por utilizar materiais naturais e não destruir o meio ambiente. O consumidor tem levado isso em conta", diz a designer de interiores Maria Alice Miller.

De acordo com o coordenador do programa de artesanato do Sebrae-SP, Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, Roberto Mauro dos Santos, artesanato é todo o trabalho manual onde mais de 80% do objeto foi produzido pelo próprio artesão. Normalmente, a peça mostra algo da cultura local. "As garrafas de areia do Ceará, por exemplo. Fora a garrafinha, que foi comprada, o resto é areia que o artesão encontra facilmente na praia. Os temas retratados mostram o seu dia-a-dia: vilarejos de pescadores, paisagens etc".

O artesanato não fica restrito apenas a objetos pequenos, é possível também encontrar sofás, mesas e até portas artesanais, desde que respeitem a definição acima. O preço varia, levando sempre em conta a técnica utilizada e o lugar onde você compra. A dica é garimpar. Procure em feiras de artesanato, visite cooperativas e tente entrar em contato com artesãos. Nas lojas o preço costuma ser salgado.

Redação Terra