inclusão de arquivo javascript

Mulher

 
 

Como se livrar de utensílios velhos fazendo o bem

10 de maio de 2009 16h11 atualizado em 12 de maio de 2009 às 16h51

Antes de se desfazer de um objeto ou móvel, procure um estabelecimento que aceite doações. Foto: Getty Images

Antes de se desfazer de um objeto ou móvel, procure um estabelecimento que aceite doações
Foto: Getty Images

Rosana Ferreira


Você não sabe como se livrar do sofá velho para dar lugar a um modelo mais moderno ou onde levar o computador ultrapassado e comprar a última novidade do mercado? Antes de pensar em jogar alguma coisa no lixo, saiba que há entidades e empresas que aceitam doações desses e outros itens, como eletrodomésticos, utensílios domésticos, livros, tapetes e roupas. Você não tem o mínimo trabalho, já que algumas entidades retiram os donativos em casa com data marcada, e ainda faz o bem.

»Computadores velhos vão a museus ou ajudam carentes
» Chat: tecle sobre o assunto

As doações passam por uma triagem - a fim de separar o que está em bom estado e o que precisa de reparos - para serem vendidas por preços módicos em bazares. O que não pode ser reparado e materiais reciclados são vendidos como sucata. A renda serve para ajudar as pessoas assistidas pelas instituições. A família da jornalista Fernanda Couto, de São Paulo, já fez o movimento de ida e volta. Ou seja, quando ela foi morar sozinha, todos os móveis de sua casa foram comprados dessa maneira e sua mãe também já doou peças a instituições desse tipo. "Não dá para jogar móveis, peças de decoração e outros utensílios no lixo. Eles podem ser úteis para outras pessoas", diz.

É o caso da estante antiga de pé palito, que não servia mais para uma família, e foi parar na casa da jornalista. "Foi um dos primeiros móveis que adquiri dessa maneira há quatro anos, por R$45 na época", diz Fernanda, que adora peças com visual vintage e, às vezes, ela mesma lixa, enverniza ou customiza as aquisições encontradas nos bazares.

Bazares
No Centro Espírita Lar Casas André Luiz, foi criado o bazar Mercatudo, que existe há 50 anos (a entidade funciona há 60 anos) e atende oito pontos para vender as doações. O resultado das vendas de móveis, roupas, sapatos, eletrodomésticos, livros, brinquedos e materiais recicláveis corresponde a 40% do orçamento da entidade que assiste gratuitamente cerca de 600 internos com doenças mentais em seu hospital, além de atender crianças no ambulatório. "Temos até UTI dentro da instituição", diz a supervisora de doações, Cecília Pozzi Lucchesi. Basta ligar que a instituição dá um prazo de 72 horas para retirar os donativos no local marcado, desde que seja em São Paulo, Grande São Paulo e nas regiões de Sorocaba e Campinas.

No Lar Escola São Francisco, é feito o mesmo esquema de atendimento domiciliar com agendamento em São Paulo e Grande São Paulo. Segundo a gerente Clélia Salgado, são agendadas 40 doações por dia em média. Para isso, diariamente, cinco caminhões saem de manhã da entidade para buscar brinquedos, roupas, computadores, eletrodomésticos, aparelhos eletrônicos, móveis, tapetes, quadros, vidros, livros e utensílios domésticos em geral. O resultado é o famoso bazar Samburá, que comercializa os donativos em forma de mercadorias, o que gera receita financeira para custear o tratamento de portadores de deficiência física carentes no Centro de Reabilitação da entidade. De acordo com Célia, de 200 a 300 pessoas visitam o bazar por dia, e a representação das vendas no orçamento da entidade é de 31%.

No Paraná, a Rede Solidária Curitiba recolhe móveis e roupas em toda a Região Metropolitana da capital paranaense. Todas as quartas-feiras e no segundo sábado de cada mês, promove bazar para a venda das peças, que não passam por reforma alguma. A ação é uma iniciativa de um grupo de imobiliárias curitibanas. O dinheiro arrecadado com as vendas é colocado numa conta bancária e, a cada seis meses, o valor total é dividido para quatro instituições: Hospital Pequeno Príncipe, Fepe (Fundação Ecumênica de Proteção ao Excepcional), Afece (Associação Franciscana de Educação ao Cidadão Excepcional) e ao asilo Socorro aos Necessitados. Na última distribuição, cada entidade recebeu R$ 7 mil.

O Exército da Salvação é outra opção para quem deseja doar objetos que não usa mais. Os donativos são classificados, consertados e avaliados para venda, cuja renda vai ajuda o financiamento de atividades sociais. O Exército atende em São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Joinville (SC), Pelotas (RS) e Suzano (SP).

Endereços de locais que recebem doações e lixo eletrônico:

Casas André Luiz
A entidade realiza há 50 anos o Mercatudo, cujo dinheiro arrecadado corresponde a 40% dos gastos de assistência a 600 internos com doença mental.
www.mercatudo.org.br
Informações: 0800 7734066


Lar Escola São Francisco
Cinco caminhões saem diariamente para buscar doações. Venda corresponde a 31% do valor destinado a ajudar tratamento de pessoas carentes que tenham deficiência física.
Informações: (11) 5908-7899
www.lesf.org.br

Exército da Salvação
Donativos são classificados, consertados e avaliados para venda. Atende em São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Joinville (SC), Pelotas (RS) e Suzano (SP).
www.exercitodoações.com.br

Museu do Computador
Recebe todo tipo de material de informática, jogos e telefones. São oito pontos de entrega, Na Grande São Paulo, eles estão localizados no ABC Paulista, Zona Norte, Zona Sul, Interlagos e Osasco. No interior de São Paulo, há um posto em Campinas. E, no Rio de Janeiro, em Jacarepaguá. É preciso preencher um formulário disponível no site http://blogdocurador.museudocomputador.com.br/?p=416
Informações: (11) 4616-2398

Comitê para Democracia da Informática
Recebe computadores que funcionam para serem reformados e aproveitado pela população carente. Atende todo o Brasil.
www.cdi.org.br
Informações: (21) 3546-6570

Rede Solidária Curitiba
Recebe e recolhe doações de móveis e roupas em toda Região Metropolitana de Curitiba. O dinheiro arrecadado com a vendas peças é dividido para quatro entidades.
Informações: (41) 3049-1790
http://www.socorroaosnecessitados.org.br

Dell
Em parceria com a Fundação Pensamento Digital (FPD), a fabricante Dell desenvolve projetos sociais de inclusão em comunidades de baixa renda usando computadores doados.
www.dell.com.br/doeseucomputador

Nokia
Recolhe aparelhos e acessórios, inclusive de outras marcas. No site, basta clicar o Estado e a cidade para saber onde levar.
http://www.nokia.com.br/A4524104

Motorola
Desde 1999 tem o programa de reciclagem de baterias. No período, já reciclou mais de 150 toneladas do produto.
www.motorola.com

HP
Desde 2002 recolhe e encaminha baterias para a reciclagem. http://www.hp.com/latam/br/baterias/index.html

Porto Seguro
A companhia de seguros lançou a campanha de reciclagem de cartões de plástico, celulares e baterias. Após serem recolhidos em postos da empresa, os produtos são encaminhados para reciclagem. www.portoseguro.com.br
Especial para Terra