inclusão de arquivo javascript

Mulher

 
 

Amor à primeira vista é ilusão ou verdade?

Somente um em cada dez casais afirma ter se apaixonado à primeira vista. Foto: Terra

Somente um em cada dez casais afirma ter se apaixonado à primeira vista
Foto: Terra

As mãos suando frio e aquele friozinho na barriga são apenas alguns dos efeitos do doce, mas poderoso veneno, que levam as flechas do cupido quando estas nos atingem.

Participe:
» Qual sua opinião sobre o amor à primeira vista

Veja também:
» Seu ex encontra um novo amor primeiro, o que fazer?

Segundo as estatísticas, somente um em cada dez casais afirma ter se apaixonado à primeira vista, mas mesmo que a impressão inicial não seja aquela que persista, não dá para descartar sua importância.

Se a primeira impressão foi boa, a medida que os encontros aumentam, crescem também o conhecimento, a familiaridade e há mais possibilidades de que isso se transforme em uma relação duradoura.

No lado oposto, se a primeira impressão foi negativa ou desfavorável, é preferível interromper o contato, deixar que se passe um tempo para que essa sensação se desfaça e, depois, tentar em uma nova oportunidade que a relação dê certo.

Do momentâneo ao amor duradouro
Se os sentimentos depois do primeiro encontro forem positivos, é possível conseguir que o amor chegue a um bom porto e que, assim, se transforme em uma relação mais profunda e duradoura. Mas há situações que levam ao fracasso e que fazem com que a relação desapareça tão rápida como apareceu.

Segundo especialistas, a urgência ou "ansiedade sentimental" por incluir alguém em nossa vida pula etapas necessárias do curso normal de uma relação.

Outra situação que leva a sofrer de urgência de amor é o desejo de querer substituir um fracasso amoroso.

O mais aconselhável é prestar atenção nas atitudes da outra pessoa, o que ela faz e diz. Faça uma pequena análise para montar os prós e contras, as diferenças de caráter, afeições e perspectivas.

Quanto dura a paixão?
Segundo algumas pesquisas, estamos programados para desapaixonarmos depois de 18 a 30 meses de relação. Nesse momento, os sentimentos podem terminar, mas também podem se transformar em uma união controlada pelo coração e a cabeça.

Para a psicóloga Isabel Menéndez, "quando se vive uma louca paixão, a pessoa identifica no outro o ideal de amor: é um estado de plenitude, em que entram em jogo as reações bioquímicas".

A flechada do cupido altera profundamente as pessoas e os protagonistas vivem algo mágico que lhes conduz a um estado de sublime bem-estar. O outro se torna a meta e estar ao seu lado faz a vida mudar de cor, pois ela é contemplada pelo filtro do amor.

Depois da idealização
A pessoa flechada terá que passar por várias provas para que a paixão não se extinga depressa. A principal é reconhecer o outro tal como ele é, não como queremos que ele seja. Isso é possível apenas quando nos conhecemos o suficiente e aceitamos nós mesmos assim como somos, em vez de tentarmos nos completar com o outro.

A transformação de uma paixão repentina em algo duradouro requer profundas mudanças internas. Entretanto, quem vive uma paixão nega seus defeitos e carências, crendo apenas que está sendo o protagonista de um verdadeiro amor.

"Para que um flerte se transforme em amor, é fundamental que o casal aceite as carências", adverte Isabel Menéndez.
EFE
EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.