Mulher

publicidade

Dor na hora do sexo tem cura

Dor durante relação sexual tem cura
Foto: Getty Images
 

As mulheres ainda são as mais atingidas pela falta de prazer sexual. O resultado? Além da ausência de vontade, dores na hora da relação são cada vez mais comuns e viram um pesadelo feminino. As causas para o problema vão desde as físicas - infecções até espamos musculares - às psíquicas, em decorrência de algum trauma, como violência sexual.

"No momento do ato sexual a mulher não deve sentir nenhum tipo de dor ou desconforto, se isso acontece é provável que ela não esteja bem relaxada nem muito excitada", afirmou Débora Padua, fisioterapeuta uroginecológica da Clínica José Bento de Souza, em São Paulo. Para a mulher que vive o dilema de não ter prazer, não é preciso sofrer calada, pois há uma saída.

O primeiro passo é procurar um ginecologista, para saber se existe algo errado. O próximo caminho é realizar uma consulta com um fisioterapeuta especializado em ginecologia. Se não houver alteração física, uma avaliação psicológica deve ser feita.

O trabalho do fisioterapeuta é analisar a estrutura do canal vaginal e músculos, verificando se o funcionamento está correto. Caso exista alguma alteração, o profissional indicará qual o melhor tratamento a ser realizado e o número de sessões que devem ser feitas.

O problema mais corriqueiro é o afrouxamento do canal, causado por gestação, partos, idade, fator hereditário etc. Mas se o caso for de dor durante a relação, o mais comum é o enrijecimento da musculatura.

Problemas
Depressão e estresse também estão entre os fatores desencadeantes de dores na hora H. A fisioterapeuta explica que, quando a pessoa está estressada ou depressiva, isso é descarregado em alguma parte do corpo.

E, com freqüência, algumas mulheres usam a região pélvica como válvula de escape. "É preciso estar relaxada o quanto possível antes e durante a relação sexual. Outra dica importante é ainda tocar o corpo e conhecê-lo cada vez mais para saber quais são seus limites, prazeres e vontades."

Com a fisioterapia ainda é possível tratar alterações na vagina e no ânus, como incontinência urinária ou fecal, preparo para o parto e pós-parto. Os principais aparelhos usados durante o tratamento são biofeedback, que dá maior percepção aos músculos pélvicos; eletroestimulador, usado com um eletrodo vaginal (ou anal se for o caso) para estímulo da musculatura; e os cones vaginais, pesinhos usados para o fortalecimento da musculatura pélvica. As sessões duram em média de 40 a 50 minutos.

Para as mulheres que têm receio de passar pelo procedimento, vai um recado: "O tratamento é indolor e dá ótimo resultado", afirmou a fisioterapeuta.

Especial para Terra