0

Pesquisa: mulheres fazem diferentes tipos de sexo, mas menos vezes

2 dez 2013
13h26
  • separator
  • 0
  • comentários

Uma nova versão de um clássico estudo britânico sobre o comportamento sexual feminino concluiu que as mulheres estão fazendo diferentes tipos de sexo, mas, no geral, estão tendo menos relações sexuais. As informações são do site The Huffington Post.

Segundo estudo, as mulheres têm hoje mais liberdade de falar sobre a vida sexual
Segundo estudo, as mulheres têm hoje mais liberdade de falar sobre a vida sexual
Foto: Getty Images

A pesquisa, chamada de National Survey of Sexual Attitudes and Lifestyles (Natsal -3), ouviu 8.869 mulheres entre 2010 e 2012 e notou que a incidência de sexo antes dos 16 anos, anal e entre pessoas do mesmo sexo, aumentou, enquanto o número de relaçãoes caiu em comparação aos outros levantamentos, feitos entre 1990-1991 (Natsal-1) e 1999-2001 (Natsal-2).

Os resultados mostraram que 16% das britânicas disseram ter feito sexo com outra mulher, enquanto este número foi de 10% no Natsal-2 e 4% no Natsal-1. Quanto ao sexo anal, 15% afirmaram ter feito no ano anterior, contra 11% no Natsal-2 e 7% no levantamento Natsal-1.

Segundo os responsáveis pelo estudo, os números indicam muito mais do que os hábitos sexuais das mulheres, mas dão a entender que atualmente elas têm mais facilidade e abertura de falar sobre a intimidade. Além disso, afirmar ter feito sexo com outra mulher representa "uma grande mudança cultural", de acordo com William Saletan, responsável pela divulgação do material.

Na pesquisa de 1990, as mulheres disseram ter tido, em média, cinco relações sexuais no último mês, enquanto em 2001, o número caiu para quatro e, neste mais recente, para três. A explicação para isso é a correria, já que as pessoas estão mais ocupadas e com menos tempo para a vida sexual. "O trabalho está dentro das casas das famílias e elas não conseguem mais dividir o tempo. As pessoas levam laptops e tablets para a cama e trabalham duro demais, estão sempre ocupadas", explica o professor Kaye Wellings da London School of Hygiene & Tropical Medicine.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade