0

Jamie's Italian segue padrão londrino, com preço brasileiro

Restaurante do chef britânico se propõe a oferecer comida "excepcional e sustentável" por preço honesto

26 mar 2015
14h25
atualizado em 27/3/2015 às 11h42
  • separator
  • 0
  • comentários

Imagine ir ao restaurante do Jamie Oliver, sim, aquele chef inglês que tem programa de TV, e gastar R$ 25. Pois foi assim que me senti em um dia frio e chuvoso em Londres, há pouco menos de dois anos.

<p>Chef se propõe a usar a comida como fator de transformação</p>
Chef se propõe a usar a comida como fator de transformação
Foto: David Lotus / Divulgação

De férias, passeando pelo bairro de Covent Garden, parei na frente do Jamie's Italian e perdi alguns poucos minutos admirando o cardápio exposto do lado de fora.

Siga Terra Estilo no Twitter

Claro que eu estava mentindo para mim mesma, acreditando que os valores que eu via ali não eram em libra esterlina - sempre caríssima. Afinal, estava de férias, deixaria o momento depressão financeira para depois. 

Ao entrar, fui recebida por um garçom, coincidentemente, brasileiro. Aproveitei a deixa para matar uma série de curiosidades que eu tinha a respeito do inglês. "Ele tem tempo para efetivamente colocar a mão na massa?"; "Não". "O quanto interfere na composição dos pratos?"; "Muito". "A cerveja servida aqui é de algum produtor local?"; "Sim". "E esse pãozinho, vem de onde?"; "...". "De quanto em quanto tempo Jamie renova o cardápio?". Ah, sim, o cardápio, quase ia me esquecendo.

<p>Uma das cervejas servida na Inglaterra é a Libertà, uma lager de fabricação própria</p>
Uma das cervejas servida na Inglaterra é a Libertà, uma lager de fabricação própria
Foto: Danielle Barg / Terra

Pedi bruschetta, uma massa com carne de coelho, a cerveja local. Gastei em torno de 25 libras. Na conversão atual, sairia aproximadamente R$ 120.

Para nós, brasileiros, investir isso em uma refeição não é exatamente algo corriqueiro. Mas imagine quem mora lá, uma nação bem menos desigual do que a nossa? Com certeza a maior parte das pessoas pode se dar ao luxo de comer em um restaurante bacana pagando um preço honesto.

Essa, inclusive, é a proposta principal de Jamie, que acaba de inaugurar o primeiro restaurante da rede em São Paulo, único na América Latina. O padrão de qualidade dos pratos e do atendimento foi importado de lá cuidadosamente. Inevitavelmente, o preço também.

De um modo geral, os valores são, sim, honestos. Mas alguns itens do cardápio têm custo semelhante ao de Londres, fazendo a conversão para o real. Um exemplo: um prato grande de massa varia entre 10 e 14 libras - algo entre R$ 48 e R$ 65, que é mais ou menos a média dos preços daqui. 

<p>Linguine com camarões servido no cardápio da nova casa em São Paulo</p>
Linguine com camarões servido no cardápio da nova casa em São Paulo
Foto: Danielle Barg / Terra

Para quem quer gastar menos, também há opção de meia porção de massa. As carnes variam entre R$ 65 e R$ 69. O cardápio também conta com hambúrguer, cervejas especiais, vinhos e sobremesas como tiramisù, cheese cake de limão siciliano e brownie com sorvete. 

Comer em São Paulo, de um modo geral, não é barato. Os altos impostos e aluguéis são as justificativas mais comuns, mas, no caso do Jamie's Italian, o valor também tem a ver com os ingredientes. 

A principal marca da casa é o rigor com a origem de tudo que é utilizado nos pratos - desde carnes free range (em que animais são criados livres, sem confinamento); produtos sustentáveis, sem conservantes e alguns itens criados exclusivamente para o local. 

Com jeitão de casa
A primeira impressão que o restaurante causa, pelo lado externo, é imponência: uma enorme "caixa" de madeira e vidro ocupa a esquina da rua Horácio Lafer, no Itaim Bibi, bairro nobre de São Paulo. Mas basta entrar e se sentar para sentir uma atmosfera mais rústica, caseira e despretensiosa; conceitos que também dão o tom da culinária de Jamie.

<p>O restaurante fica no bairro do Itaim, em São Paulo</p>
O restaurante fica no bairro do Itaim, em São Paulo
Foto: Divulgação

Criticado por alguns especialistas por não oferecer pratos dignos de listas e guias gastronômicos, ele não se importa, e já cansou de dizer em entrevistas que não tem o intuito de fazer alta gastronomia.

Assim como o brasileiro Alex Atala, o chef britânico se propõe a usar o alimento como fator de transformação, e está a frente de diversas campanhas em favor de uma comida mais verdadeira, com menos componentes químicos e excesso de gordura.

Ele inclusive ganhou recentemente uma briga com o McDonald’s, após acusar a rede de usar amônia em uma de suas receitas e fazer a gigante do fast food mudar o procedimento.  

Sem frescura
Regada à Chandon, a festa fechada oferecida para famosos e clientes escolhidos a dedo, um dia antes da abertura oficial na última quarta-feira (25), destoou um pouco da proposta simples pregada pelo inglês.

Mas até tem contexto: a elite paulistana adora um burburinho quando se trata de uma novidade, especialmente quando esta vem acompanhada de um sobrenome internacional. 

<p>Na nova casa em SP, a decoração rústica prevalece</p>
Na nova casa em SP, a decoração rústica prevalece
Foto: Divulgação

Felizmente, pude visitar a casa antes disso, durante o soft opening, período em que o restaurante, ainda fechado para o público, serviu alguns clientes em fase de teste.

Apesar de não refletir a realidade, a impressão foi de que o padrão londrino foi mesmo seguido à risca. Funcionários atenciosos, que adoram explicar a origem dos ingredientes e a composição dos pratos; massas e molhos com gostinho caseiro; tempero marcante, ambiente descontraído, nada 'rococó'.

Logo na entrada, dei de cara com o garçom que me atendeu em Londres em 2013. Veio para treinar a equipe de 100 pessoas que compõem o quadro brasileiro, e a essa altura já está de volta ao charmoso bairro de Covent Garden. 

Em tempo: não sou crítica gastronômica, não fui ao restaurante "à paisana" para avaliar o serviço e a comida secretamente. Fui como curiosa mesmo, como uma pessoa que entende bem mais de comer do que de cozinhar ou dos preceitos da alta gastronomia. Dito isso, dou o meu veredicto: vale cada centavo, do real à libra. 

Serviço
Jamie's Italian 

Av. Horácio Lafer, 61 – Itaim, São Paulo.
Telefone para informações e reservas: (11) 2365-1309
Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 11h30 à 1h; sábado, das 12 à 1h;  e domingo, das 12h à 0h.
Pratos principais: de R$ 44 a R$ 69
Massas: de R$ 29 a R$ 78 (com opção de meia porção)

Confira algumas curiosidades da produção da marca McDonald´s Confira algumas curiosidades da produção da marca McDonald´s

Queijos e vinhos Queijos e vinhos

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade